Imagem capa - Toda Família deseja um belo retrato da sua criança por Ana Paula Marques dos Santos
Quero Saber

Toda Família deseja um belo retrato da sua criança


O Special Kids Photographyfoi criado em 2000 , na Pensilvania, 


depois que uma mãe teve um péssima e desagradável experiência 


em  um estúdio de fotografia. 



Ela era mãe de uma criança que nasceu  com deficiência física grave 


e ao completar 1 ano de idade, ela procurou um fotógrafo 


profissional para retratá-lo.  Ao entrar no estúdio , o fotografo 


olhou para a criança, olhou para a mãe e fez aquela cara de :  “você 


quer que eu tire uma foto dele !”



A mãe, com esse olhar de desprezo do profissional, saiu arrasada, 


com um mix de sentimentos ( frustração, confusão , magoa e raiva). 



Vale ressaltar que nem sempre é preciso dizer uma palavra, nosso 


rosto  também fala e as mães de crianças especiais são phD em 


fazer leitura facial. O preconceito também se faz no silêncio. 



A partir desse episódio,  essa mãe-leoa,  pensou em criar um 


treinamento para os fotógrafos para que eles pudessem realizar 


fotos desses seres especiais, respeitando a limitação de cada um .  


Por exemplo, uma criança com Sd. de Down, responde de forma 


diferente do que uma criança que tenha autismo. 



O treinamento não foca na doença, mas sim em como ela afeta o 


comportamento da criança e como o fotógrafo vai conseguir fazer 


a conexão com ela. 





Você ja parou para pensar , se  uma família  vem procurá-lo para 


fazer um ensaio e o filho tem autismo ?  Você acha que vai 


conseguir chamar a atenção da criança para a câmera apenas com 


barulho ou bichinhos de câmera ?? 



Você já parou para pensar como faria o retrato de uma criança com 


deficiência visual ? 



Você já parou para pensar como fazer um ensaio recém-nascido de 


uma criança com sd. de Down ? E aquela que tem paralisia cerebral ? 



Nessas horas não basta conhecer as técnicas de iluminação , 


ângulos, regras de composição e por ai vai.  Você tem que conhecer 


a criança, aquele serzinho indefeso, com suas limitações e 


deformidades.  Você tem que entrar no mundo dela e na dos pais 


também . 



O fotógrafo está acostumado a fotografar o que é belo, o que está 


dentro dos  “padrões “ da sociedade e padrões de "normalidade "


certo ?



E quando temos na nossa frente alguém que não se enquadra 


dentro desses padrões, o que fazer ?  Negar ? Fazer de qualquer 


jeito ? 



Não … claro que não, sempre temos que dar o nosso melhor. (Tudo 


o que você se propõe a fazer , faça bem feito) .



E eu , mesmo sendo fisioterapeuta, conhecedora das patologias e 


suas sequelas, fiz o Workshop Special Kids Brasil, no ano de 2014, 


com o  instrutor Rubens Vieira. 


 "MAS Ana, você é fisio .. você não sabe tudo ? “



NÃOOO, eu não sei tudo  ! Uma coisa é ser fisioterapeuta, com o 


objetivo de cuidar, tratar, o meu OLHAR é terapêutico, minha 


função é integrar essa criança dentro da sociedade, torná-la 


independente, minimizar as dores dos pais. 



Como fotografa, tenho que buscar o sentimento, a beleza que está 


nos detalhes, no que não é visível. 



Então, fiz o WS.



Fiquei encantada pela históiria do Special Kids ,  pela abordagem e 


como é complexo fotografar crianças especiais. 



No final do  curso, o Rubens, falou que se os alunos quisessem , 


poderíamos prestar uma prova para ser um fotógrafo credenciado 


pela Special Kids. 



E É CLARO, que fiz esse processo. 



Primeiro você faz uma prova teórica e depois uma prova prática. 



A prática era fotografar 3 famílias, usando os recursos da teoria. E 


essas fotos seriam avaliadas e só então, caso aprovado você 


receberia o credenciamento. 



Ai vem a dúvida: Quem fotografar ? Como fotografar ? 


S.O.C.O.R.R.O !!! 



Em uma manhã qualquer , fez-se EUREKA no meu cérebro:  



“ANA, você é fisio !!  Fotografe a rotina de uma criança, dentro 


do ambiente que ela mais esta acostumada a frequentar, que é 


uma clinica de reabilitação! “



Pedi ajuda das minhas professoras da faculdade: Ana Paola e Étria 


E elas junto com a diretoria da Clínica de Fisioterapia da 


Universidade Mackenzie , permitiram que o meu trabalho fosse feito 


lá. 




Gente… foi lindo e gratificante, estar dentro de uma Clínica de 


Fisioterapia , não para tratar mas para  fotografar  essas crianças 


que sempre me ensinaram muito. 



Lindo ver o sorriso no rosto das mães, quando eu falava o porque 


de estar ali. 



E assim,  no dia 24 /12 /2014 … recebi o meu credenciamento ! 






Ao fotografar uma criança especial, você aprende a entrar no 


Universo dela, e é isso que faz você ser uma pessoa melhor , um 


fotografo melhor, que realmente está preocupado com as pessoas 


que irão passar pela sua lente, porque cada um é ÚNICO , cada um 


tem a sua  história. 



Infelizmente, eu não posso mostrar as fotos feitas para o 


credenciamento. 



Mas segue as fotos da Festa  Junina realizada no Parque da Água 


Branca, em 2015 .